Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Arquitetura: TUDO que envolve fazer projetos de paisagismo

Arquitetos podem exercer muitas atividades. Uma delas é a de paisagismo. Sabe o que isto engloba? Pois bem, entra na lista o planejamento de todas as áreas abertas e verdes não nativas, ou seja, com intervenção humana e localizadas dentro das cidades.

Por exemplo, jardins, praças, parques, orlas, canteiros centrais de avenidas, e outros espaços. No texto a seguir, vamos saber mais sobre como fazer este tipo de projeto.

Projeto: Alex Hanazaki

Passo a passo de como fazer um bom projeto de paisagismo

#1 Estude as leis municipais e federais relevantes

Antes de desenhar qualquer coisa, o arquiteto precisa entender que leis afetarão o seu trabalho. Em algumas situações, será preciso fazer um estudo rigoroso de impacto ambiental.

Talvez também tirar algumas aprovações com o setor de obras da cidade. No mais, é preciso estar atento ao que diz o código municipal e outras diretrizes que orientam a prática de projetos de paisagismo em geral – por exemplo, sobre recuos de jardim.

#2 Estude a estética da arquitetura ao redor

Todo projeto de paisagismo deve responder às necessidades das pessoas – respeitando, acima de tudo, a natureza – e, além disso, ser coerente com as construções ao redor. Muitas vezes, este tratamento dado à certa parcela urbana faz pano de fundo para uma construção. Ou mesmo é o foco principal de um loteamento. O “pulmão verde de uma cidade. A convergência de caminhos. E a abertura para passagem de pessoas e ventos.

Vamos supor que está sendo feito um projeto de paisagismo seja para um jardim de uma casa. O arquiteto, neste caso, deve estudar, antes, a linguagem escolhida para a edificação.

Pode-se, por exemplo, combinar um prédio em estilo clássico com um paisagismo de influência inglesa ou francesa. Ou, então, combinar um prédio moderno com um paisagismo mais minimalista ou mesmo de influência oriental.

Projeto: Daniel Nunes Paisagismo
Projeto: Daniel Nunes Paisagismo

#3 Localize as melhores áreas para os equipamentos

Depois de saber o que se pode fazer no terreno – assegurado pela legislação – e qual a linha estética seguir, já se pode começar a colocar no papel algumas primeiras ideias.

Independente do futuro jardim projetado ser mais seco ou arborizado, certamente ele terá muitos equipamentos – como quadras esportivas, fontes, piscinas, quiosques e mais. São estes itens que darão mais função ao terreno. Mas é preciso planejá-los.

Deve haver um equilíbrio entre a proporção de áreas de equipamentos, percursos e canteiros no jardim para que, de fato, as pessoas possam aproveitar bem a área. E por falar nos equipamentos, é preciso calcular a quantidade que cabe no lote.

O que realmente será utilizado com base no programa de necessidades. Que visual deve ter. O que pode ficar junto e o que precisa ser afastado. E a insistência de raios solares e ventos sobre o todo.

Projeto: Gislene Lopes

#4 Trace todos os percursos

Para se chegar a cada equipamento e outros cantinhos especiais previstos na proposta de paisagismo, as pessoas precisarão passar por percursos. Então, este é mais outro detalhe que precisará ser detalhado na proposta. E, aliás, as características do material ou dos materiais que cobrirão estas áreas pode ser um dos detalhes mais importantes no cenários, talvez apenas perdendo para as espécies naturais utilizadas como pano de fundo.

Projeto: Eder Mattiolli
Projeto: Garden Light Paisagismo

#5 Pontue com estruturas e mobiliários

Dentro dos equipamentos, sobre os trajetos e, às vezes, até dentro dos canteiros pode ser necessária a colocação de vários equipamentos e mobiliários.

O objetivo será guiar melhor as pessoas, dar a elas pontos de descanso e ajudar no seu entretenimento. Mas , atenção. Estruturas maiores, como postes de luz e coberturas de churrasqueiras podem comprometer a visão das edificações ao redor.

Nas bordas de um percurso, da entrada de uma edificação a algum ponto do jardim, por exemplo, é adequado ter pequenos pontos de luzes de piso. Neste trajeto, pode haver também alguns bancos ou cadeiras para uso externo.

Já nas praças, os percursos seriam ladeados por lixeiras e placas de sinalização ou orientação. E não podemos nos esquecer dos suportes para estacionar bicicletas, instalados em parques.

Projeto: Studio Clariça Lima

#6 Planeje o pano de fundo

Muitas das coisas representadas em desenhos de planta baixa de projetos de paisagismo ficará ao nível do solo depois de construído. Mas quando o observador elevar a vista, ele deverá poder ver mais.

Como pano de fundo para muitos equipamentos ou ao redor de áreas de descanso e contemplação, poderão estar várias árvores e arbustos. E estas plantas – suas cores, texturas e proporções – irão enriquecer a composição final.

Projeto: Alexandre Furcolin

#7 Escolha as espécies naturais

É claro que o arquiteto, mesmo que se interesse por botânica, jamais entenderá tanto do assunto quanto um biólogo ou outro especialista.

Contudo, ele deve saber que as espécies que escolher para o seu projeto de paisagismo afetarão não só a visão da arquitetura ao redor como também as condições climáticas e todo o ecossistema local. Se deseja atrair, por exemplo, mais pássaros e insetos, como abelhas, deve escolher as plantas certas.

É importante investigar que espécies podem se adaptar melhor ao clima da região onde está o jardim. Também qual a possibilidade do seu desenvolvimento e o que é preciso para um crescimento saudável e vida longa.

O maior desafio que os paisagistas enfrentarão será prever as mudanças de cenário de acordo com as estações. E, por fim, resolver questões complexas, como de irrigação de jardins verticais e impermeabilização de telhados verdes.

Projeto: Alalou Paisagismo
Projeto: Alex Hanazaki

Essas dicas de como fazer um projeto de paisagismo foram criadas pela equipe Viva Decora.

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário

Descubra a faculdade certa para você!